23 de Novembro de 2018: Centenário do regresso a Portugal dos primeiros militares

P1420435No dia 23 de Novembro de 2018, às 11:00, teve início a plantação de 3 árvores – Liquidambar styraciflua – para comemorar o centenário do regresso a Portugal dos primeiros militares da Grande Guerra. A cerimónia contou com a presença dos 7 elementos do executivo da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, presidido por Ana Maria Gaspar Marques. A plantação teve ainda a participação de 2 turmas da Escola Mestre Arnaldo Louro de Almeida que prepararam um pequeno manifesto a favor da Paz e dos Direitos Humanos como preâmbulo às plantações.

P1420411A plantação da árvore Nº 71 teve a participação entusiasmada dos alunos, ajudados pela Presidente Ana Maria Gaspar Marques e membros do executivo, as Arquitectas paisagistas Dora Albuquerque e Ana Clemente, e o Assessor Ricardo Moutinho.

P1420420

P1420417

P1420443

P1420434

P1420423

P1420444

P1420448A plantação da árvore Nº 72 teve a participação de Rui Barbosa, do Colectivo Vizinhos das Avenidas Novas, de quem partiu a ideia desta plantação no Bairro de Santos ao Rêgo.

P1420454

P1420460Para a plantação da árvore Nº 73 recebemos ajuda de 2 moradores do bairro: a Senhora Maria Henriques e o Senhor Miguel Fernandes.

P1420457

P1420466O nosso obrigado a todo o executivo da Junta de Freguesia das Avenidas Novas pelo apoio dado à iniciativa o que incluiu uma equipa de Jardineiros liderada pelo Sr. João Teixeira (Trevo). Um agradecimento é devido igualmente à Câmara Municipal de Lisboa pela oferta das 3 árvores e por ter disponibilizado a equipa de Jardineiros constituída por João Dinis, João Machado, Pedro Santos e Paulino Agodinho. E uma vez mais agradecemos o manifesto pela Paz dos alunos da Escola Mestre Arnaldo Louro de Almeida!

Anúncios

CONVITE: 23 Novembro 2018, Centenário do regresso dos primeiros combatentes

Rua Cardeal Mercier - CML-arquivo-fotografico.jpgNa próxima 6ª feira dia 23 de Novembro às 11:00 vamos plantar 3 árvores no Bairro de Santos ao Rêgo por ocasião do regresso do primeiro contingente de militares portugueses a Portugal. A ideia partiu do «Colectivo Vizinhos das Avenidas Novas».

No território desta freguesia de Lisboa existem 4 arruamentos no antigo “Bairro da Bélgica” com toponímia da Grande Guerra: Rua Cardeal Mercier, Rua General Leman (Militar Belga), Rua Dr. Álvaro de Castro (assumiu o comando das forças expedicionárias em 1916) e Rua Portugal Durão (Presidente da CML no período de 5 de Abril de 1923 a 1925 e, no âmbito da participação de Portugal na Grande Guerra, foi vogal da “Comissão Executiva da Conferência da Paz”).

Esta cerimónia é organizada em parceria com a Junta de Freguesia das Avenidas Novas e tem o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.

A plantação das 3 árvores – 1 por cada ano em que Portugal participou no conflito – será na Rua Cardeal Mercier, perto do Mercado. O Cardeal Mercier, Désiré-Joseph Mercier (1851-1926) foi um importante defensor da resistência belga durante o período da Grande Guerra.

Foto: Rua Cardeal Mercier, Artur João Goulart, Fevereiro de 1964. Fonte: Arquivo Municipal de Lisboa – Fotográfico.

Hoje, dia do CENTENÁRIO DO ARMISTÍCIO: 11 Novembro 1918 – 11 Novembro 2018

P1420236 (2)

Hoje, às 11 horas do dia 11 de Novembro de 2018, foi marcado o centenário do Armistício com a plantação de 4 árvores no Parque Eduardo VII de Inglaterra. A cerimónia foi co-organizada com a Câmara Municipal de Lisboa.

O Engenheiro Rui Simão, Chefe da Divisão de Manutenção e Requalificação da Estrutura Verde da CML, plantou a primeira árvore, um Carvalho-roble [Quercus robur]. De seguida foram plantados três Freixos: 1 Fraxinus excelsior e 2 Fraxinus angustifolia.

20181111_152654

Participaram igualmente na plantação das árvores Nº 67, Nº 68, Nº 69 e Nº 70: Arq. João Ceregeiro (Presidente da Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas – APAP), Rui Barbosa (coordenador do colectivo Vizinhos das Avenidas Novas e membro fundador da Vizinhos em Lisboa-Associação de Moradores), Jorge Pinto em representação dos Amigos do Píncípe Real, João Menezes Ferreira Pitschieller (neto de Menezes Ferreira, antigo combatente), Alexandra Canha (neta de Joaquim Manuel Canha, antigo combatente), João Pinto Soares e Manuela Correia (Associação Lisboa Verde). Contámos ainda com a presença da Senhora Nicole Lyscom de Dorset, Inglaterra e de Clark Roth da cidade de Seattle nos EUA.

P1420264 (2)

João Pinto Soares, Associação Lisboa Verde, plantando o Fraxinus excelsior

P1420268 (2)

P1420265 (2)

Jorge Pinto, Amigos do Princípe Real, na plantação do Fraxinus excelsior

20181111_140950

20181111_152511

Clarck Roth, de Seattle, EUA, plantando um Freixo [Fraxinus angustifolia]

20181111_104426

Jardineiros do Parque Eduardo VII: Jorge Pinho, Abel Cardoso e Jaime Tomé

20181111_111251

O nosso agradecimento para a Engenheira Alexandra Canha da CML e à sua equipa de jardineiros do Parque Eduardo VII – os Senhores Jorge Pinho, Abel Cardoso e Jaime Tomé – que de forma dedicada permitiram a concretização desta cerimónia de plantação apesar das condições climatéricas adversas.

CONVITE: 11 de Novembro de 2018, dia do Centenário do Armistício

Fernandes, Salvador de Almeida - Parque Eduardo VII - circa 1950.jpg

No próximo domingo 11 de Novembro de 2018, às 11:00, no dia do 100º Aniversário do Armistício, vamos plantar 4 árvores no “Parque Eduardo VII de Inglaterra”: três Freixos (Fraxinus angustifólia e Fraxinus excelsior) e um Carvalho (Quercus robur). Todos os cidadãos são bem vindos para participarem nesta cerimónia. Ponto de encontro: lado sul-poente (perto da entrada do complexo desportivo).

Fernandes, Salvador de Almeida - Parque Eduardo VII - circa 1950..jpgFotos: Salvador de Almeida Fernandes, Parque Eduardo VII de Inglaterra, circa 1950. Arquivo Municipal de Lisboa – Fotográfico.

 

No dia do Centenário da Batalha de La Lys: 9 de Abril de 1918 – 9 de Abril de 2018

P1390837-001No dia do centenário da Batalha de La Lys o Projecto 100 Anos 100 Árvores plantou 1 árvore no Jardim 9 de Abril na Freguesia da Estrela em Lisboa.P1390832-001P1390827-001Esta plantação, de um exemplar de Araucaria heterophylla, resultou de uma parceria com a Junta de Freguesia da Estrela e a Câmara Municipal de Lisboa. Participaram nesta cerimónia o Presidente da Junta de Freguesia da Estrela, Luís Newton e o Director do Museu Nacional de Arte Antiga, António Filipe Pimentel. Fomos ainda ajudados pelas crianças do Centro de Bem Estar Infantil das Janelas Verdes da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Estiveram igualmente presentes dois representantes da Junta de Freguesia da Penha de França: Maria Capitolina Marques e Patrícia Ribeiro. P1390841-001A árvore, Araucaria heterophylla, oferecida pela Câmara Municipal de Lisboa.P1390849O nosso obrigado a Anna Patrício e aos jardineiros da Freguesia da Estrela.P1390871

Plantação de 5 árvores no Jardim da Fundação Gulbenkian (27 Março 2018)

No dia 27 de Março de 2018 foram plantadas 5 árvores no Jardim Gulbenkian. A primeira árvore foi plantada pelo Dr. Guilherme d’Oliveira Martins, Administrador Executivo da Fundação Calouste Gulbenkian. Foram plantados 2 exemplares de Populus nigra L. (Álamo Negro) e 3 exemplares de Populus nigra L. ‘Italica’ (Choupo Lombardo). As árvores receberam a seguinte numeração no âmbito do Projecto 100 Anos 100 Árvores – Centenário da Grande Guerra: Nº 61, Nº 62, Nº 63, Nº 64 e Nº 65.

20180328_011756

Dr. Guilherme d’Oliveira Martins planta a Árvore Nº 61, um Álamo Negro (Populus nigra).

Os nossos agradecimentos ao Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian pelo acolhimento dado ao projecto 100 Anos 100 Árvores. Estendemos o nosso obrigado ao Dr. António Morgado Fonseca, da Fundação Gulbenkian, e ao Arq. Paisagista João Mateus responsável pelo Parque Gulbenkian e que nos ajudaram na organização desta cerimónia.P1390756Arquitecto Paisagista João Mateus participando na plantação da Árvore Nº 6120180328_010823P1390783P1390787P1390791P1390801P1390804P1390816

A equipa de jardineiros que executou os trabalhos preparatórios junto da árvore Nº 62, um Álamo Negro. Os nossos agradecimentos igualmente para o Jardineiro-Chefe da Fundação Calouste Gulbenkian, Sr. António Manuel Graça, e a toda a sua equipa dedicada.

Plantação de 16 árvores no Miradouro do Monte Agudo (21 de Março de 2018)

P1390713Hoje, 21 de Março de 2018 foram plantadas 16 árvores no jardim do Monte Agudo numa parceria com a Junta de Freguesia de Arroios e a Câmara Municipal de Lisboa.

Os voluntários e colaboradores do Projecto 100 Anos 100 Árvores plantaram 16 ciprestes em memória de todos aqueles que estiveram envolvidos na frente de Guerra em África, nomeadamente Angola e Moçambique. As árvores receberam a numeração Nº 45, Nº 46, Nº 47, Nº 48, Nº 49, Nº 50, Nº 51, Nº 52, Nº 53, Nº 54, Nº 55, Nº 56, Nº 57, Nº 58, Nº 59 e Nº 60 . Participaram nas plantações os alunos da vizinha Escola Básica Sampaio Garrido localizada na Praça das Novas Nações (antigo Bairro das Colónias). Os nossos agradecimentos à Presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins e à Arquitecta Teresa Travassos da CML por toda a colaboração.

As 16 árvores foram gentilmente oferecidas pelos Viveiros PLANTA LIVRE.

20180321_110034P139069920180323_185245P139070920180321_112128P1390718

Um grupo de alunos leu o Poema das Árvores de António Gedeão:

As árvores crescem sós. E a sós florescem.
Começam por ser nada. Pouco a pouco
se levantam do chão, se alteiam palmo a palmo.
Crescendo deitam ramos, e os ramos outros ramos,
e deles nascem folhas, e as folhas multiplicam-se.
Depois, por entre as folhas, vão-se esboçando as flores,
e então crescem as flores, e as flores produzem frutos,
e os frutos dão sementes,
e as sementes preparam novas árvores.
E tudo sempre a sós, a sós consigo mesmas.
Sem verem, sem ouvirem, sem falarem.
Sós.
De dia e de noite.
Sempre sós.
Os animais são outra coisa.
Contactam-se, penetram-se, trespassam-se,
fazem amor e ódio, e vão à vida
como se nada fosse.
As árvores, não.
Solitárias, as árvores,
exauram terra e sol silenciosamente.
Não pensam, não suspiram, não se queixam.
Estendem os braços como se implorassem;
com o vento soltam ais como se suspirassem;
e gemem, mas a queixa não é sua.
Sós, sempre sós.
Nas planícies, nos montes, nas florestas,
A crescer e a florir sem consciência.
Virtude vegetal viver a sós
E entretanto dar flores.

20180323_184109